sábado, 21 de dezembro de 2013

"Mar" 40 x 60 cm





FAROLEIRO

quem mandou colher o ouro e a prata do sorriso, saborear
o perfume derramado entre os dedos das mãos?

quem mandou esculpir castelos de areia como se fossem de marfim,
correr com a sede de um cometa
pelas fontes do corpo?

quem mandou catar mariscos e conchas no regaço, desenhar
no velame do barco  a nudez da delicadeza?

quem mandou mergulhar no abraço com o desejo do vento,
costurar sonhos com a seda  do silêncio de sereia?

quem mandou acreditar em fadas, duendes, unicórnios, gnomos, 
imaginar que a poesia  voltaria na maré cheia da praia?

quem mandou pensar que o olhar ficaria como uma tatuagem
e o carinho pudesse acalmar o meu coração de menino?

quem mandou, amor meu,
foi o meu amor, não fui eu! 
  
[Mário Pirata]


quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

"Peixinho" 30 x 40 cm



E a vida vai tecendo laços
Quase impossíveis de romper:
Tudo o que amamos são pedaços
Vivos do nosso próprio ser.

[Manuel Bandeira]


terça-feira, 19 de novembro de 2013

"Bichano" 30 x 40 cm



A paz no mundo começa
quando as palavras se calam 
e os gestos se multiplicam
quando se reprime a vergonha
e se expressa a ternura
quando se repudia a doença
e se enaltece a cura
quando se combate a normalidade que virou loucura
e se estimula o delírio de melhorar a humanidade,
de construir uma outra sociedade,
com base numa outra relação,
em que amar é a regra, e não mais a exceção!!

[Geraldo Eustáquio]


sábado, 9 de novembro de 2013

"Pôr do Sol" 20 x 25 cm



DO QUE PASSOU

Não me tragam memórias
de velhos tempos idos.

Deixem-me a sós comigo.

Cada poema tem o seu motivo,
cada gota de vinho tem seu travo
que não se repete noutro copo.

É preciso degustá-lo
sem agravos
e esquecer o que não foi bebido.

[ LARA DE LEMOS]





sexta-feira, 25 de outubro de 2013

terça-feira, 15 de outubro de 2013

"Bailarina" 35 x 45 cm


Na mesma pedra se encontram,
Conforme o povo traduz,
Quando se nasce - uma estrela,
Quando se morre - uma cruz.
Mas quantos que aqui repousam
Hão de emendar-nos assim:
"Ponham-me a cruz no princípio...
E a luz da estrela no fim!"


[Mario Quintana]

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

DESENHOS antigos - 1986



ESPELHISMO

Olhou numa poça d'água
e viu a mão estendida.

Alongou a própria destra,
num impulso de acolhida

Mas, a mão tocou em nada

Era, apenas, refletida
no espelho da água parada,
a sua mão estendida.

[Helena Colody]


terça-feira, 27 de agosto de 2013

"Mulher sentada" 60 x 40 cm



Vento novo

Estava enrolada
em teias e traças,
debaixo da escada,
lá no subsolo
da casa fechada.
Começava a tomar ares de desgraça.
Manchada do tempo,
fenecia
a esperar que um dia
alguma coisa acontecesse.
Antes que se perdesse completamente,
sentiu passar um vento cor-de-rosa.
Toda prosa, espanou a bruma,
pintou os lábios
e sem vergonha nenhuma
caprichou no recorte do decote.
A felicidade volta à praça
cheia de dengo e de graça,
com perfume novo no cangote.

[Flora Figueiredo]